sábado, 17 de fevereiro de 2018

Santa Rita Medalla Real Gran Reserva Syrah 2014

Já havia postado vinhos da Syrah antes:
http://vinhosqueprovo.blogspot.com.br/2015/12/confraria-25112015.html




O de hoje é produzido no Valle del Limarí, Chile, pela gigante Santa Rita. Esta vinícola tem uma história de mais de 130 anos, exporta para mais de 70 países no mundo, e possui vinhas nas melhores regiões do país.


Vinho límpido de cor rubi profundo com halo violáceo, lágrimas lentas e grossas, com os antocianos a "manchar a taça".
Aromas de frutos vermelhos maduros em compota, geléia, frutos do bosque, pimenta- preta. Sabores que confirmam  o olfato, com uma "espinha dorsal" de muito boa acidez, que envolve o conjunto, taninos finos, com discreto amargor no final, boa persistência. Harmônico. Com o passar do tempo, surge aquele aroma cansativo de figo, devido à colheita de uvas no ponto máximo de maturação. Mas, ao invés de procurar a perfeição no vinho, o que se procura, além de suas arestas, são principalmente suas qualidades. Nada que estrague o prazer de bebê-lo. Álcool a 14,5%.
Pronto para beber, mas ainda  evoluirá com a guarda por alguns anos.

Comprei no Supermercado Angeloni em Florianópolis, paguei 99,00 reais - Outro em que vale a máxima : "Não é preciso gastar muito para tomar um bom vinho."
Saúde!


quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

Kolbenhof Gewürztraminer 2015, de J. Hofstätter

A Gewürztraminer é uma uva rosada e que produz vinhos brancos de cor dourada, incrivelmente aromáticos, a pétalas de rosas e especiarias em boca, e altos níveis de álcool. Sua origem é controversa, alguns estudiosos afirmam que ela se originou no vilarejo de Traminer, na Itália, mas o primeiro registro histórico dessa uva é do Rheingau, Alemanha. Na Alemanha (Pfalz), Itália (Traminer) e França (Alsácia) é que esta casta mostra o seu maior potencial.



Vinho proveniente do Alto Ádige, produzido por J. Hofstatter em Tramin/Termeno, Itália. 


A Gewurztraminer é uma das estrelas desse produtor, sendo reconhecida e recomendada por alguns dos melhores guias de vinho do mundo.


De coloração dourada, lágrimas numerosas e lentas. Aroma intenso e  típico da variedade (floral - pétalas de rosas), lichia, pêssego, especiarias. Em boca é seco,  de médio corpo, retoma os aromas, com um final condimentado, caloroso, preenche o palato. Álcool a 14%. Uma bela experiência.


Adquirido na enoteca do produtor em julho de 2017, custou 22,50 euros.

www.hofstatter.com/

Provei um Gewurztraminer nacional com muita expectativa, e queria comparar com esse, mas não foi dessa vez. Sou apreciador dos vinhos brasileiros, mas o nosso representante tinha pouco aroma e sabor, o que pode ser explicado por esta casta preferir climas mais frios, já que é sensível e amadurece rapidamente. Como já fiz outras vezes, prefiro não comentar quando o vinho não corresponde às expectativas, o que felizmente não ocorre com tanta frequência.
Saúde!


segunda-feira, 12 de fevereiro de 2018

Estiba I Tempranillo Rosado 2015

O vinho de hoje é um Tempranillo rosé argentino, o que soa um pouco diferente (Um Tempranillo fora da Espanha, e um rosé da América do Sul).



Há 2 maneiras de se fazer vinho rosé:

1) Por Prensagem direta das uvas: Na fase do desengace das uvas faz-se o esmagamento colocando-se na prensa em baixa temperatura. Prensa-se lentamente e, a partir daí, este mosto rosado vinifica-se como os vinhos brancos. (Muitos vinhos da Provence)

2) Por sangria: Após o desengace faz-se uma maceração curta, uma "sangria do tanque", uma retirada do suco após breve contato com as cascas, e este mosto rosado vinifica-se como branco. (Vinhos de outras partes do Mundo)

O Estiba I é feito com maceração do mosto com as cascas por 24 horas, e, após contato com as leveduras, fermenta a 17°C durante 25 dias em aço inox, portanto é um rosé de sangria.



Não passa por carvalho, o intuito aqui é apresentar um rosé fresco e frutado. Na taça um vinho cor salmão, pouco fluido, aroma a frutos vermelhos, cereja, pouco intenso. Ligeiro em boca, confirma os aromas, baixa acidez, final curto. Álcool a 13,5%. Um vinho simples. Lembro de já tê-lo provado em outra ocasião e o achei melhor, talvez uma safra mais recente justificaria a compra.
Temperatura de serviço: 11 a 13°C
Comprado no Mercado Hippo em Florianópolis, custou 62,90 reais.
Quem importa para o Brasil é a Mistral.

Saúde!

http://www.bodegasesmeralda.com.ar/bodega/bodega.html


quinta-feira, 1 de fevereiro de 2018

Guatambú Épico

Hoje o representante é brasileiro, de um novo terroir que já nasceu comprovando a vocação para bons vinhos, a Campanha Gaúcha. O Épico é produzido por Guatambú Vinhos, em Dom Pedrito - RS.


Este tinto é uma assemblage das uvas Tannat, Cabernet sauvignon, Merlot e Tempranillo, das safras 2011,2012, 2013 e 2014. Todas as parcelas dos diferentes vinhos estagiaram em carvalho francês e americano.

Na taça, uma cor rubi com halo de prontidão, lágrimas lentas e grossas. Aroma de frutos vermelhos, ameixa, amora, sendo que o estágio em carvalho acrescenta notas de caramelo e baunilha, sutis e elegantes, sem exagero. Em boca é macio e harmônico, álcool a 14%, potente. Os taninos da Tannat tornaram-se macios com as parcelas das outras castas. O que se destaca é a muito boa persistência em boca. Deverá harmonizar muito bem com carnes vermelhas grelhadas ou carnes de caça.Vale muito a pena experimentar. Um grande vinho, fácil de beber e de gostar.
Ganhei de presente, então não paguei por esta garrafa. O valor comercializado na internet está na faixa de 165,00 reais, em fevereiro de 2018.
Lote limitado a 4000 garrafas. A que provei era a de número 3324.




Para saber mais:
http://www.guatambuvinhos.com.br/

Museu Vivanco - Briones



Em uma visita a Rioja, na Espanha, uma atração imperdível para os enófilos é visitar o Museu Vivanco. Ele está na pequena cidade de Briones. Fomos em Julho de 2017.


O museu é enorme e impressionante. Várias são as aulas em suas salas, com vídeos sobre vinhos, vinhedos, vinificação e uma coleção de saca-rolhas das maiores do mundo. Deixarei que as imagens falem, por si só. O mundo do vinho é mesmo vasto e fascinante. Vá sem pressa.
























https://vivancoculturadevino.es

Endereço: Carretera Nacional 232, 26330 Briones, La Rioja, Espanha

Preço: 18 euros por pessoa, em janeiro de 2018

terça-feira, 23 de janeiro de 2018

Bodegas Valduero

Se alguém a ler este texto, já fez uma viagem por causa de um vinho que já provou, vai entender do que se trata. Em outubro de 2016 comprei uma garrafa de Valduero Reserva DO 2009 em Ciudad de Leste, Paraguai, no Shopping Mona Lisa, paguei 47 dólares. Decidi levar esse vinho em um jantar com amigos no Artusi, um restaurante muito bom aqui de Florianópolis e o vinho era espetacular. Decidi que um dia iria visitar a Vinícola.

Quando tive a oportunidade de ir à Espanha e a Ribera del Duero, em julho de 2017, não tive dúvidas em visitar a Valduero, uma das melhores experiências que já tive no mundo do vinho. Estávamos em Valladolid, e neste dia fomos também a Peñafiel, e de lá a Bodegas Valduero. Agendamos com o responsável pelos planos de visitas, seu nome é José Luis Chico Madrigal, o Pepe.

Chegamos ao endereço da Vinícola e não vimos nada, não havia outdoor ou placas, somente um escritório, que vimos de cima, após dar uma volta na propriedade.


E uma linda casa em estilo rústico no final de uma montanha, que depois descobrimos ser o restaurante e sala de degustações. Onde estava a grande Valduero que ostenta fotos das visitas do rei da Espanha, do técnico da seleção Vicente del Bosque? Como chegamos cedo ficamos a olhar os arredores e disse para minha esposa: - Você quer ver que a vinícola está embaixo dessa montanha? Dito e feito, escavaram por baixo e cobriram uma outra parte, e todas as instalações, a não ser o escritório e o restaurante, são subterrâneos!
A visita começa nessa entrada à direita:
















E há uma sala com obras de arte (pintura e escultura), e o motivo é o vinho, claro.










Optamos pela visita com degustação de 5 vinhos, acompanhada de morcilla, chourizo (um dos melhores que provei) e queijos: 50 Euros por pessoa.

Os vinhos que compramos:
Garcia Viadero Blanco de Albillo 2016: 8,80 Euros
Valduero Reserva 2011: 22,40 Euros
Valduero Reserva premium 6 años 2010: 34,27 Euros

Quem importa para o Brasil é a Inovini:
 http://www.inovini.com.br/produtores/valduero/

Para saber mais:
http://www.bodegasvalduero.com/

Estava na hora de partir, de ir a uma das mais belas igrejas do mundo, a Catedral de Burgos, e de lá a Logroño, capital da Rioja (mas essa também é outra história).
Saúde!






quinta-feira, 21 de setembro de 2017

Monte Santoccio Amarone Della Valpolicella 2012


Hoje foi dia de provar um Amarone (17/09/2017).

Produzido em Fumane (uma das sub-regiões da DOCG Valpolicella Clássico) por Azienda Vinícola Monte Santoccio, com as uvas Corvina 40%, Corvinone 30%, Rondinella 25% e Molinara 5%. Evolução por 30 meses em barricas de 500 litros de carvalho francês e americano.




De cor rubi com reflexos cor de tijolo, lágrimas numerosas, grossas e lentas.
Aroma de frutas vermelhas em compota, groselha, ameixa. Mais linear do que amplo.
Taninos macios e finos, baixa acidez, quente (álcool a 16%), final de boca com amargor. Típico.
Tem a potência como qualidade aos que asim o apreciam, bem como com as restrições ao estilo, como a baixa acidez e carga de taninos. Um bom vinho. 



Comprado no Signorvino, em Verona.
http://www.signorvino.com/en/wine-shop/verona

Para saber mais:
https://www.montesantoccio.it/


sexta-feira, 1 de setembro de 2017

Sobre Asiáticos, a Borgonha e o Montrachet.

Esta é outra sobre ficar procurando até achar. 
Uma viagem atrás de uma garrafa de vinho, literalmente.

Foi em 2013, estávamos no interior da Borgonha tentando achar algum vinhedo Montrachet para visitar, tirar foto, enfim, conhecer. Após perguntar para vários camponeses da região (a maioria não fazia idéia do que estávamos à procura), e entrar em vilarejos onde não se avistava uma alma viva, fomos parar à frente da pedra fundamental do famoso vinhedo Chevaliers - Montrachet. Minha esposa é uma heroína de me acompanhar, ainda bem, hehe. Tiramos foto, ficamos ali por uns cinco minutos. Quando íamos embora avistamos ao longe dois automóveis vindo em linha reta, em nossa direção, em alta velocidade, uma nuvem de poeira atrás dos carros, uma cena de filme.

Ficamos olhando atentamente os carros se aproximarem e eles pararam onde estávamos. Começou a descer gente que não acabava mais, no início fiquei surpreso, depois achei engraçado. Um rapaz conduzia a todos, muito simpáticos, e foram abrindo garrafas de Montrachet e nos servindo a todos. Eu estava muito surpreso. How much should I pay? For free! For free! respondeu o rapaz. Era um grupo de turistas que estavam a visitar a Maison Latour e foram brindar com Montrachet em frente aos vinhedos.

Minha esposa tirou a foto


Mais uma dessas histórias que ficarão para sempre na memória. Um brinde!!

segunda-feira, 28 de agosto de 2017

Monvínic - Barcelona



Gostaria de iniciar essa postagem falando somente sobre as belezas dessa cidade singular que é Barcelona. Mas é difícil também não citar e ficar profundamente triste com os acontecimentos e as mortes nas Ramblas, de pessoas inocentes, atropeladas por terroristas covardes. E pensar que duas semanas antes dos atentados estávamos andando por aquela rua, sem fazer idéia que um dia isso poderia acontecer. Muito triste. Mas, como disse o rei da Espanha outro dia:  "Barcelona não esteve , nem estará, sozinha". "Esse ataque vil e covarde, esse assassinato que matou e feriu tantas pessoas e que nos emocionou a todos não nos vence, não vence os nossos valores, a nossa convivência, a nossa democracia e o nosso respeito pelos direitos humanos".



Fomos à Barcelona e eu com a idéia fixa de conhecer a Monvínic. Jancis Robinson fala da Monvínic como um "templo para connoisseurs", mas também que "qualquer amante de vinhos que tenha oportunidade, deveria passar grande parte de sua vida lá". Então, e animado com isso, fomos conhecer esse famoso wine bar e loja de vinhos de Barcelona.









Os vinhos os clientes escolhem em um Tablet, coloca-se numa lista de desejos e depois é só solicitar ao sommelier. Escolhemos em taças, para poder provar alguns.







Para iniciar, escolhemos um Cava rosé.




















E queríamos provar somente vinhos espanhóis? Não necessariamente, respondemos. Então escolhemos 4 vinhos brancos: Verdicchio italiano, Sauvignon Blanc e Blend de Riesling, SB, Pinot Gris e Grüner Veltliner da Nova Zelândia, Grüner Veltliner austríaco .















E depois,  4 tintos: Albillo, Trepat e Garnatxa espanhóis, e um Blend de Grenache e Mourvédre da África do Sul.
O Trepat foi o vinho do dia! Excelente.













Já que estávamos na Espanha foi uma oportunidade de provar Jerez, uma taça de Valdespino Amontillado e uma taça de  Emilio Hidalgo Oloroso. (para provar né?)












Terminamos com uma taça de Champagne.





E você pode conhecer o produtor enquanto prova o seu vinho. Bom não é?

Valor da conta.

Com a Sommelier da Monvínic Isabelle Brunet

Valeu muito a experiência. Recomendo!!

http://www.monvinic.com/
Calle Diputació 249 Barcelona.